Dr. Estranho – Resenha do filme (Sem spoilers)

Divulgue nas mídias sociais
doutor-estranho-pster-760x428

Benedict Cumberbach encarna o mais poderoso mago do universo Marvel.

Dr. Estranho, o mais novo filme da Marvel Studios, que estreou no dia 02/11/2016 (Mesmo dia do aniversário de nascimento de seu co-criador, Steve Dikto), está sendo aclamado pela crítica e público como um dos melhores filmes da Editora americana até o momento. E com razão! O filme, dirigido pelo americano Scott Derrickson (que também dirigiu vários filmes de terror como O exorcismo de Emily Rose, a entidade e Livrai-nos do mal) e estrelado por Benedict Cumberbatch (que se tornou mundialmente conhecido como o Sherlock da versão inglesa da série homônima da BBC) é um delírio visual trabalhando totalmente em função de um roteiro apropriado e alicerçado em um elenco de grandes atores como Tilda Swinton , Chiwetel Ejiofor , Mads Mikkelsen e Rachel McAdams.
Por tudo isto, se você está procurando uma diversão muito bem feita, você vai sair plenamente satisfeito do cinema.
Mas o Dr. Estranho, o filme, é como a relação harmoniosa entre os símbolos Yin e Yang: há forças opostas trabalhando de formas contrárias no filme mas que, no final das contas, acabam alcançando o seu objetivo que é o de encantar os espectadores durante seus 155 minutos de exibição.
A história, contada de forma simples, eficiente e bem amarrada, é uma adaptação da sua origem: o Dr. Sthepen Strange, um arrogante neurocirurgião que, após um acidente de automóvel destruir suas ferramentas de trabalhos, suas mãos, parte em uma jornada espiritual tentando curá-las mas que acaba levando-o a se tornar um dos magos mais poderosos da terra. Criado por Stan Lee e Steve Dikto em 1963, o personagem alcançou grande sucesso e popularidade nos anos 70 e 80 e tem, agora, nesta fase 3 dos filmes da Marvel, a oportunidade de se reapresentar ao grande público.

O Dr. Stephen Strange em sua busca espiritual que o leva a Kamar-Taj

O Dr. Stephen Strange em sua busca espiritual que o leva a Kamar-Taj

O que mais chama a atenção do filme são os arrebatadores efeitos visuais que, apesar de ultra-dinâmicos e deslumbrantes, são, como já mencionamos anteriormente, totalmente apropriados e subordinados à história. É impossível não ficar extasiado com a desconstrução da realidade através da “magia” da computação gráfica.
Porém, o verdadeiro segredo do filme está em seu elenco magnífico. Benedict Cumberbatch, um dos melhores atores desta nova geração, é a mais perfeita representação física do Dr. Estranho. Chiwetel Ejiofor, que faz o papel de Mordo, consegue intuir no seu personagem uma dualidade que nos faz entender o papel que ele tem no universo do Dr. Estranho. Mads Mikkelsen, como Kaecilius, é tão primoroso como ator que, mesmo sem mover um músculo da sua face, consegue passar as mais diversas emoções em seus papéis. Porém, o grande destaque do filme – não que isto seja uma surpresa para mim – é o de Tilda Swinton, como o do grande ancião (Que na verdade é uma anciã).  Cada momento em que ela está na tela é um verdadeiro deleite. Ouso até dizer que gostei mais do grande ancião do que do próprio Dr. Estranho. Além destes, temos a participação de Rachel McAdams, como a Dra. Christine Palmer, uma grande atriz que, neste caso, acabou fazendo mais figuração de luxo do que tendo uma participação ativa no filme (Como aconteceu com a Dra. Jane Foster, de Thor, por exemplo).

Tilda Swinton, como o do grande ancião, é a melhor surpresa do filme

Tilda Swinton, como o do grande ancião, é a melhor surpresa do filme

Apesar de todos os pontos positivos, o filme do Dr. Estranho acaba pecando, mesmo que timidamente, em dois pontos principais. Um deles é o excesso de piadinhas. Não que o filme não tenha boas piadas ou gags visuais. O problema é que ele não sabe quando parar. O próprio Dr. Estranho, algumas vezes, parece um pouco ridículo tentando fazer piadinhas com tudo.
O segundo problema é um pouco mais complicado de se resolver: Apesar de todos os predicados anteriormente mencionados, falta no filme do Dr. Estranho uma certa dose de imprevisibilidade. Tudo funciona tão perfeitamente seguindo um padrão pré-definido pela própria Marvel, que o filme não chega a trazer nenhuma surpresa ou novidade (A exceção, talvez, dos efeitos visuais). Essa “segurança” acaba tirando um pouco da vibração do filme.
Em 2008, como o lançamento do Homem de Ferro, a Marvel mostrou qual a fórmula para se fazer um filme de super-heróis de sucesso: Controle rígido do destino de seus personagens e de suas histórias, roteiros bem amarrados (geralmente baseados em hqs de sucesso), bons atores, muita ação e uma dose cada vez mais excessiva de piadinhas. O grande problema agora da editora/estúdio é descobrir como se reinventar, como evoluir desta fórmula para criar filmes com personalidade própria. E, mesmo se isto não tenha acontecido com o Dr. Estranho, ainda assim é um ótimo filme para se assistir.

Dr. Estranho conjurando os efeitos visuais fantásticos do filme

Dr. Estranho conjurando os efeitos visuais fantásticos do filme

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Milson disse:

    Ficou muito parecido fisicamente com o que lia nos quadrinhos, Superaventuras Marvel. Eu vibrava com as histórias!Lembro de uma história que ele luta ao lado do Homem Aranha desenhada por Franqk Miller(essa comprei pela RGE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *