Entrevista com o introspectivo Wilski Barbosa

entrevista-wilski
Recentemente na Prismarte 61, Wilski Barbosa, publicou três histórias de uma página que exprime todo um sentimento do quadrinho do autor. Em m edição anterior da Prismarte, Wilski Barbosa desenhou o roteiro de Leonardo Santana, o Mistério do Canal. Foi sua primeira participação na Prismarte impressa. Nesse pequena entrevista, Wilski discorre um pouco do seu perfil artístico e suas motivações para fazer quadrinhos.

1- Como surgiu seu interesse pela narrativa dos quadrinhos?

entrevista-wilski01Surgiu de criança mesmo, me encantava o fato de poder contar uma história por meio de desenhos. Era uma mistura do gosto dos gibis com as animações da tv. Lembro de ficar desenhando como se fosse uma animação, enquanto desenhava fazia a dublagem, os efeitos sonoros (risos). Se pensar bem, fazer quadrinhos foi praticamente natural.

2 – Seus quadrinhos são poéticos e “pensativos”, pelos menos os qual foram publicados na Prismarte 62! Qual o processo criativo? Como surgi o interesse em desenvolver certas narrativas?

entrevista-wilski02Esses que foram publicados surgiram mais como exercício, eu tinha ficado um tempo sem fazer quadrinhos e queria retomar com calma. Acabei gostando , e procuro sempre fazer algo do tipo. Acho que esse tipo de texto é mais natural para mim, não sei. Eu sempre tive maior interesse pelo lado humano, o introspectivo… mesmo em um filme como, por exemplo, Senhor dos Anéis, me chama mais a atenção o drama dos personagens, a amizade que as cenas de ação. Acredito que descobrir quadrinhos que tinham a mesma tendência ajudou muito a seguir esse caminho, e tentar equilibrar com outras formas de se contar a história. Gosto do Berardi por exemplo, o modo que consegue desenvolver esse lado do drama humano em histórias de aventura.

3 – Você acredita que o autor, desenhista ou roteirista (ou os dois) precisa sentir o que ele escreve e de certa forma atua na obra?

entrevista-wilski03Uma vez li em algum lugar que se o escritor não estiver sendo sincero, mesmo que escreva uma mentira, o leitor percebe. Gosto dessa maneira de pensar. Nunca fazemos nada que esteja cem por cento distante de nós, seja um diálogo que ouviu, uma atitude que acredite, um rosto desenhado de alguém que conheça…acho que por mais despretensiosa que seja a história, algo de nós está sempre lá.

4 – Quais o gêneros de quadrinhos você gostaria de desenvolver?

Eu gosto de todos os gêneros, queria ter a oportunidade de desenhar todos eles. Atualmente tenho tido muito interesse em trabalhar com a aventura clássica. Aquela dos gibis e cinema antigos.
Também gosto do gênero mais introspectivo, histórias mais sobre o cotidiano, as relações, o drama comum. Venho reescrevendo uma história nesse sentido, meio sem saber se já está pronta pra desenhar.

Entrevista com Wilski Barbosa

Entrevista com Wilski Barbosa

5 – Você tem alguma obra que esta fazendo ou deseja fazer?

Atualmente estou desenhando uma hq de faroeste, e escrevendo uma hq meio de aventura, ainda nos primeiros tratamentos de texto. Acredito que seja meu próximo projeto para desenhar.

A abaixo uma mostra da Prismarte #61 na Bookess.
Serviço:
Prismarte #61
Capa colorida
Miolo Preto e Branco
Formato: 14,5 x 20 cm
32 páginas
R$ 5,00 + R$ 3,00 frete


You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *